Observatório Astronômico Aristarco de Samos




Escrito por OBAAS às 13h39
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]






Escrito por OBAAS às 13h30
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Relógio de Sol no Parque Tancredo Neves (Tancredão) em Vitória (ES).



Escrito por OBAAS às 12h01
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Pequeno Glossário sobre Meteoritos

Ablação - Se refere ao material superficial que é perdido por um meteoroide devido ao aquecimento produzido pela fricção ao atravessar a atmosfera, e/ou ao material perdido por ação de processos físicos/químicos que ocorrem na superfície terrestre.

Acreção - Processo pelo qual partículas se juntam para formar corpos de tamanhos maiores. Na nebulosa solar, por exemplo, os cóndrulos se formaram por areção de grãos de pó, e os planetas por areção de planetésimos.

Acondrito - Meteorito rochoso procedente de um corpo planetário no qual há distinta separação de materiais . Como a diferenciação é um processo ígneo, produz rochas ígneas ou também brechas de rochas ígneas.

Asteróide - Fragmento de planetesimais (ou talvez agregado de fragmentos). A maioria dis asteróides orbitam ao redor do sol em uma região entre Marte e Júpiter, no chamado Cinturão de Asteróides. Também existem muitos outros que apresentam órbitas diferentes que cruzam a órbita da Terra, os chamados NEA (Near Earth Asteroids), ou NEO, que significa "asteroides (ou objetos) próximos da Tierra".

Bólido (fireball) - Meteoro muito brillante.

Esfera de fusão por impacto (impact melt spherule) - Esfera vítrea de rocha fundida por choque e expulsa da cratera. A maior parte se esfria e solidifica rapidamente na atmosfera terrestre, porém, algumas seguem fundindo ao se chocar contra o solo ou a água, e se fragmentam em forma de pequenas partículas de vidro.

Brecha - Rocha composta por abundantes grafmentos angulosos, heterogêneos ou de composição química similar.

Caída (fall) - Meteorito encontrado depois de se haver observado sua queda (caida). Como só se passou pouco tempo após sua chegada ao solo até ser recolhida, podem estar pouco alteradas pela meteorização e outros processos degradativos que acontecem na superfície terrestre.

Campo de dispersão (strewn field) - Zona extensa na qual se encontram bolinhas de fusão ou tectitas.

Cometa - Corpo gelado e rochoso que gira ao redor do Sol. Contém substâncias voláteis (hidrogênio por exemplo) que não são encontrados nos meteoritos, e que quando chega a se aproximar do Sol apresenta coma e algumas vezes uma ou duas caudas, sendo uma de poeira e outra de gás.

Condrito - Meteorito constituido de condrulos e outros componentes produzidos na nebulosa solar.

Condrito carbonáceo - Um tipo primitivo de condrito que apresenta patentes os processos da nebulosa solar.

Condrito ordinário (ordinary chondrite) - A maior parte dos meteoritos que caem na Terra são desse tipo. alguns, de tipi primitivo, permitem estudar os processos, enquanto que outros sofreram certo grau de metamosfismo em um corpo planetário.

Cratera - Depressão em forma de círculo. A superfície dos planetas apresentam crateras vulcânicas e de impacto. Geralmente, aparesentam diferenças suficientes para permitir determinar sua origem.

Cristalina - Diz-se das rochas compostas por cristais, não vítreos. Quando uma massa de rocha fundida se resfria e se funde muito rapidamente tendem a formar vidro (como a obsidiana), porém, quando há um lento esfriamento, crescem cristais de distintos minerais.

Choque (shock) - Presão anormalmente alta e de curta duração produzida devido a um impacto. Pode chegar a fragmentar, fundir e inclusive vaporizar as rochas.

Diferenciado - Diz-se de um corpo (parcialmente) fundido em que seus componentes foram separado em duas ou mais fases e apresentam composição diferente. Na Terra, o núcleo de ferro e níquel do manto de silicatos foram separados por diferenciação.

Enstatita - Um tipo primitivo de condrito em que o mineral predominante é o silicato enstatita.

Ejeção (ejetado) - Material expulso de uma cratera durante um impacto.

Descobrimento (encontrado) - Meteorito recuperado certo tempo após sua caída, que não foi presenciada. A maioria dos descobrimentos procedem da Antártica.

Impacto - Choque entre dois corpos planetarios. Quando um é de tamanho muito menor que o outro (como é o caso de colisão de um meteoroide com a Terra), se pode produzir uma cratera no corpo maior.

Lava - Rocha fundida que irrompe pela superfície de um planeta e que pode fluir devido a sua elevada temperatura.



Escrito por OBAAS às 11h57
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Magma - Rocha fluida, muito quente. O termo tem significado mais amplo que o de ''lava''. Se aplica a todas as rochas fundidas que se encontram na superfície como no interior de um planeta. O magma pode conter minerais cristalizados em suspensão.

Mesosiderito - Meteorito misto de metal e rocha, que contém cristais de silicatos e porções de ferro e níquel. são brechas metamórficas, enquanto que os palasitas, outro tipo de meteorito misto de metal e rocha, são rochas ígneas.

Meteorito - Fragmento de um corpo planetário que cai sobre outro corpo planetário. No caso da Terra, os meteoritos que que sobreviver a ablação atmosférica.

Meteoro - Luz brillante que se produz quando um meteoroide atravessa a atmosfera e sofre oblação por atrito. Os meteoros grandes e brilhantes são chamados de bólidos (fireball - bola de fogo).

Meteoroide - Objeto natural de pequeno tamanho (menor que um quilômetro) cuja órbita ao redor do Sol pode levá-lo a se chocar com outros corpos planetários . O termo "meteoroide" se aplica só ao núcleo rochoso de um meteoro, uma vez que o "meteorito" é aplicado somente aos objetos que chegam a tocar o solo.

Micrometeorito - Pequena partícula procedente de um objeto planetário (asteróide, cometa, planeta...) que chega a outro corpo planetário . Seu tamanho varia entro um micron e um milímetro. quase todos que penetram na atmosfera da Terra se fundem e volatilizam, porém em outros corpos planetários que não tem atmosfera e/ou que são muito tênues, como na Lua, a maioria sobrevive.

Nódulo - Fragmento rochoso aproximadamente esférico incluído em uma matriz de composição diferente.

Palasita (pallasite) - Meteorito misto de metal e rocha com nódulos de olivina (um silicato) rodeados por uma matriz metálica de ferro ou níquel.

Planetésimo (planetesimal) - Objeto rochoso, gelado, ou ambas as coisas, formado na nebulosa solar, com diâmetro de vários quilômetros em tamanho.

Rocha ígnea - rocha formada por esfriamento de um magma.

Rochas metamórfica - Rocha que foi cristalizada ao ser esquentada e comprimida, mas sem chegar a se fundir.

Silicato - Componente das rochas que contém silício, oxigênio e outros elementos. As rochas da superfície terrestre (areniscas, granitos, riolitas e basaltos) são compostas por silicatos. Os metais, ao contrário, se separaram dos silicatos durante a diferenciação planetária, e por isso é tão baixo seu conteúdo de silicato e quase sem oxigênio.

Tectita (tektite) - Gota de roca fundida expulsada de uma cratera de impacto e vitrificada ao resfriar-se rapidamente.



Escrito por OBAAS às 11h56
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




O Comércio de Meteoritos

 

Texto do Astrônomo Ronaldo Rogério de Freitas Mourão.

Publicado no Jornal do Commercio, Caderno Atualidades, 2 e 3 de março de 1997

 

Além da raridade, a forma de um meteorito pode afetar o seu preço. Existem várias modalidades de amostra: completas, parciais, fragmentos e pequenas fatias (sices - vocábulo inglês usado nos catálogos de venda de meteoritos). Uma amostra completa é um meteorito que permaneceu como foi encontrado. Ele pode apresentar uma extensa área da crosta de fusão primária, parte da crosta de fusão secundária e linhas de ablação. Sua forma aerodinâmica resulta da ablação que sofreu ao atravessar a atmosfera. Os meteoritos completos são os mais desejados embora sejam os mais difíceis de encontrar.

Amostra parcial é uma porção significativa de um meteorito; em geral, tem uma superfície cortada e polida, ou superficie quebrada que pode ou não apresentar uma crosta de fusão secundária. Os fragmentos são peças de um meteorito que foram expelidas violentamente da massa principal, durante sua passagem pela atmosfera, em virtude da diferença de temperatura entre a superfície incandescente e o zero absoluto reinante em seu interior. Se o meteorito rompe antes de concluir sua travessia pela atmosfera existe um tempo para que uma crosta secundária de fusão se forme dando origem a uma nova amostra completa. Os fragmentos podem também resultar de um corte. Alguns meteoritos são conhecidos unicamente na forma de fragmentos.

As fatias ou lâminas são vendidas sob a forma de fatias completas ou parciais. As fatias completas constituem uma seção inteira do meteorito original; seus bordos apresentam a superfície exterior do meteorito. Uma fatia bem preparada tem, em geral de 5 a 7 milímetros de espessura uniforme com pelo menos uma superfície polida. O polimento tem a finalidade de mostrar com detalhes o interior de sua estrutura. As fatias parciais como o próprio nome sugere parte de uma fatia completa. As fatias são a forma mais comum adquiridas pelos colecionadores, pois são menos caras que uma amostra completa e mostram os detalhes da côndrulas, breceias ou figuras de Widmanstätten nas várias classificações de meteoritos. Entre as fatias, existe uma especial, end piece, que apresenta em um dos seus bordos a crosta ou seja, a superfície exterior do meteorito. As end pieces têm a vantagem de mostrar detalhes do interior e do exterior do meteorito.

Quanto só uma pequena quantidade de um meteorito muito raro é encontrado, o preço de uma amostra se torna inacessível aos colecionadores e aos pesquisadores. De fato, uma amostra de 50 a 100 gramas destes meteoritos pode variar de 400 a 600 dólares. Com o objetivo de contornar esta dificuldade, algumas empresas de meteoritos incluem em seus catálogos uma listagem de micro e macro amostras, que reúne mais de 400 diferentes tipos de meteoritos. Seu custo é determinado pela quantidade disponível e pelo grau de exigências na preparação. As micro e macro amostras são vendidas, respectivamente, em caixas de plástico de uma e duas polegadas de lado. Seu preço é de cerca de 12 dólares em média.

Em virtude da sua raridade, os meteoritos são vendidos em gramas. A escassez, a disponibilidade e o tamanho (e/ou dimensões) das amostras, assim como a importância e qualidade de sua apresentação podem afetar o preço. Os preços dos meteoritos ferrosos comuns variam de 0,50 a 2,00 dólares por grama. Os meteoritos pétreos, muito mais raros, são vendidos de 2,00 a 10,00 dólares por grama para o material mais comum. Não é incomum (ou estranho ou insólito) que um material verdadeiramente escasso exceda a 1.000 dólares por grama. Na realidade, se considerarmos a sua raridade em comparação com os gramas de ouro e de diamante, verificamos que os meteoritos não são muito caros. De fato, a produção de ouro é muito superior e, no entanto, o preço do grama do ouro de cerca de 12 dólares, e, a maior parte dos diamantes, que não são em geral de primeira qualidade, custam de 25.000 a 30.000 dólares o grama.



Escrito por OBAAS às 11h55
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Existem mais de 40 firmas no mundo que exploram o comércio de meteoritos. A mais famosa é dirigida por Robert A. Haag, o "homem meteorito", - proprietário da maior e mais diversificada coleção particular de rochas extraterrestres do mundo - vendeu mais de um milhão de dólares, excedendo todos os outros 40 vendedores de meteoritos. Ele possui mais de 3.500 clientes em todo o mundo. Só um empresário japonês no período de 1989-1990 adquiriu uma pequena seleção de meteoritos no valor de 700.000 dólares.

O povo pode adquirir meteoritos com uma forma de investimento, afirma Haag que, no entanto, acredita que estas pedras extraterrestres serão "sempre um elemento de fascinação".

Haag não é o primeiro grande caçador de meteoritos. Antes dele, o naturalista Harvay Harlow Nininger (1887-1986) perseguiu e comprou meteoritos. Além de conferências sobre os meteoritos, Nininger oferecia recompensas aos componeses e os povos das cidades pelos meteoritos encontrados. Assim, conseguiu reunir uma coleção de meteoritos incomparável: cerca de 1.300 meteoritos em 30 anos.

Em seus 15 anos de pesquisa, Haag já confrontou-se com bandidos no México, soldados na Espanha, elefantes machos na África, etc. Seu estilo de vida não foi bem aceito por sua esposa, Gail, da qual se divorciou em 1989. Uma das suas mais aventuras ocorreu na Nigéria, onde foi mal acolhido. Seu objetivo nesse país era obter um exemplar do meteorito marciano - Zagami - que caiu na Nigéria em 1962. Aliás, sua atividade como caçador de meteoritos não tem sido bem recebida pelos governos. Nos EUA, tentou localizar amostras nas proximidades de Meteor Crater, no Arizona, com um detector de metais. Sua atividade foi considerada "negócio ilícito". Sua reputação é péssima na Austrália Ocidental, onde procurou encontrar meteoritos na Planície de Nullarbor.

Para o governo australiano a exportação de meteorito é ilegal. Apesar dessa proibição, Haag trouxe deste país um meteorito lunar - único achado fora da Antártica e o único em mãos particulares -, encontrado em 1960, em Calcalong Creek, na Austrália Ocidental. Hoje o governo australiano exige que o meteorito de Calcalong, que saiu ilegalmente do país, seja devolvido.

Na Argentina, Haag foi preso, em janeiro de 1990, quando tentava levar de Buenos Aires o meteorito Chago, de 33 toneladas, - um dos maiores do mundo - para conduzi-lo a Nova Iorque. Haag realizou seu melhor negócio ao adquirir por 200 mil dólares, na Argentina, o meteorito Esquel, palasito de 571kg - o maior do seu tipo no mundo - que ele conserva em sua coleção particular. Se fosse vendê-lo seu valor seria de no mínimo 5 milhões de dólares, pois cada grama vale 10 dólares. "Foi o meu mais diabólico investimento realizado" afirma Haag.

Uma das grandes obsessões de Haag é encontrar uma amostra de nakhlito - um basalto da superfície de Marte, encontrado em 1911 em Nakhla, no Egito. Existem dois outros nakhlitos: um encontrado em Lafayette, Indiana, EUA, em 1931 e outro achado em Governador Valadares, Brasil, em 1958. Do exemplar brasileiro não existe nenhuma amostra no Brasil: a maior parte encontra-se na Italia e uma pequena amostra no Museu Britânico.



Escrito por OBAAS às 11h54
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]






Escrito por OBAAS às 23h59
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Observatório Astronômico Aristarco de Samos, localizado no entorno da Reserva Ecológica de Duas Bocas, na Estação de Ciências do Colégio Campo Grande.



Escrito por OBAAS às 16h02
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Prédio do Observatório Astronômico Aristarco de Samos. 



Escrito por OBAAS às 15h56
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]






Escrito por OBAAS às 15h50
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




http://www.colegiocampogrande.com.br

Escrito por OBAAS às 11h38
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Telescópio principal do Observatório Astronômico Aristarco de Samos.



Escrito por OBAAS às 11h37
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]


[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]


 
Meu perfil
BRASIL, Sudeste, CARIACICA, CAMPO GRANDE, Homem, Portuguese, Livros
Histórico
Outros sites
  UOL - O melhor conteúdo
  BOL - E-mail grátis
Votação
  Dê uma nota para meu blog